Como desenvolvemos a Inteligência Emocional nos Acampamentos?

Publicado por

Tema fascinante e que tem estado presente praticamente em todas as nossas ações. 

Trabalhar com dezenas de crianças e pais todos os anos tem nos trazido muitos aprendizados e uma enorme certeza de que os nossos processos estão trilhando um caminho muito positivo. 

Ler, conhecer e estudar os grandes mentores e estudiosos de INTELIGÊNCIA EMOCIONAL aporta nossa prática e válida a nossa metodologia que usamos nos projetos. 

Importante lembrar que quando falamos em crianças emocionalmente saudáveis não estamos falando naquelas crianças que não choram ou que não se frustam, mas naquelas que conseguem lidar com suas emoções primeiramente e depois entender as emoções dos outros, parece difícil, né? 

Segundo alguns especialistas 

“… A habilidade de reconhecer os próprios sentimentos, compreender os dos outros e saber lidar com eles é o que a psicologia chama de inteligência emocional (QE) – e ela é tão importante quanto o quociente de inteligência (QI), porque confere a serenidade e o discernimento necessários para que as funções cognitivas trabalhem plenamente. “

Portanto, na atualidade não adianta ter um  filho brilhante se ele não souber lidar com as suas dificuldades, desafios e críticas do dia a dia. 

Nos acampamentos este processo de autoconhecimento, apatia, autoestima, frustração, criação de vínculos afetivos e resiliência estão presentes o tempo todo por meio da convivência e do brincar, ferramenta primordial do nosso trabalho. 

Alguns psicólogos acreditam que exigem cinco pontos chaves para desenvolver a INTELIGÊNCIA EMOCIONAL, são eles: 

Veículos Afetivos e Efetivos;

Autoestima;

Resiliência; 

Frustração;

Brincadeira; 

Todos eles estão fortemente presentes nos ACAMPAMENTOS PEDAGÓGICOS.

Vínculos afetivos e efetivos: Os laços afetivos podem e devem ser ampliados fora do ambiente familiar, até porque ser da família não garante a ninguém que um laço afetivo seja de fato efetivo. Os laços para serem efetivos precisam ser cuidado e nutrido para garantir a sua eficiência. Nos acampamentos os laços são gerados de forma simples e geralmente se tornam efetivos pela cumplicidade e suporte gerado durante as temporadas.  Estar presente, não significa necessariamente estar junto o tempo todo, estar presente é estar ao lado do seu filho para conversar, escutar, ajudar, dar apoio quando necessário. 

Autoestima: 

Fazer com que a criança se perceba capaz de fazer algo é o grande ganho nos acampamentos, pois ao perceber-se capaz de tomar uma decisão, fazer uma escolha, traz para esta criança o sentimento de empoderamento e consequentemente a segurança aflora.  Autoestima acontece quando se permiti que a criança se sinta segura e que acredite e confie nela, sem depender da autorização social em que vive. 

Resiliência: 

Nos acampamentos o tempo todo as crianças resolvem, superam e decidem pequenos problemas. Para nós, adultos, alguns destes problemas podem parecer tolos, mas para os pequenos estas decisões são fundamentais. Exercitar a paciência, à espera, o recuar, o não conseguir e entender que nem sempre tudo vai acontecer como deseja, faz parte do mundo real e do nosso cotidiano de acampamento. Ao saber lidar com estas decisões a resiliência floresce e fortalece as crianças. 

Frustrações: Acontece sempre nos acampamentos e talvez o mais difícil de se tratar, pois basta um simples NÃO para o mundo desabar, ou simplesmente pegar o telefone e reclamar “mãe, não estou gostando”. Entender que o fato de não ter sido atendido  naquele momento não significa que o mundo acabou. Entender, compreender e aceitar os “nãos” da vida fazem parte do mundo real.  As vezes as frustrações são necessárias para um choque de realidade, mas com apoio  e muito afeto este sentimento pode ajudar o seu filho a crescer e ser uma criança emocionalmente feliz. Nos acampamentos é muito comum escutarmos relatos apaixonadas daquelas crianças  que receberam mais negativas/ frustrados, mas as mesmas se sentiram acolhidas e percebidas, pois as vezes um pouco de limite pode significar o quanto são importantes. 

Brincadeira; A brincadeira está presente em todos os momentos do acampamento e por meio de diversas linguagens conseguimos entrar e entender o mundo dos pequenos, pois por meio do brincar é que a criança se expressa e se relaciona com o mundo. A brincadeira, principalmente quando coletiva desenvolve um  conjunto de habilidades e competências importantíssimas como: ganhar, perder, representar, ajudar, respeitar, esperar, se desafiar, conquistar, procurar, pensar, imaginar,  criar, inventar, correr, pular, se expressar, desenhar enfim um conjunto de possibilidades riquíssimas que afloram sentimentos, emoções e reações verdadeiras e espontâneas. 

Então como anda o QE (quociente emocional) X QI (quociente de inteligência) do seu filho,  qual é o mais importante?

Então, que tal adotar este projeto de INTELIGÊNCIA EMOCIONAL na sua escola, na sua empresa, na sua vida e trazer seus pequenos  para uma experiência de vida aqui com a gente.

Tenho certeza qua será uma EXPERIÊNCIA INCRÍVEL.

Meu nome é Rose Jarocki, sou Pedagoga da Cia do Lazer e tenho acompanhado estes projetos há 30 anos.

 

Leia mais

Deixe uma resposta